sexta-feira, 29 de maio de 2015

Defesas e qualificações da semana - 1 a 3 de junho



Defesa de Mestrado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Uma rede Ethernet on chip parametrizável para aplicações DSP em FPGA
Aluno: Hélio Fernandes da Cunha Junior
Orientador: Vanderlei Bonato
Quando: quarta-feira, 3 de junho, às 14h
Onde: sala 3-002
---------------------

Mais informações
Agenda de defesas e qualificações
Serviço de Pós-Graduação do ICMC: (16) 3373.9638
E-mail: posgrad@icmc.usp.br

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Orquídeas invadem ICMC em comemoração ao Dia do Meio Ambiente

Público poderá conferir, gratuitamente, exposição de orquídeas, palestra sobre cultivo e manejo, além de acompanhar o plantio de uma árvore e a apresentação de projetos e pesquisas


As orquídeas trarão mais cor e vida ao Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, durante a primeira semana de junho. Diversas atividades gratuitas e abertas à participação do público marcarão a comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, que é celebrado em 5 de junho.

Uma exposição de orquídeas começará na próxima segunda-feira, 1º de junho, às 14 horas, e será realizada no Espaço Pau-Brasil, no saguão do auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano, no bloco 6 do ICMC. Haverá mais de 100 exemplares expostos, que poderão ser vistos pelo público até às 17 horas do dia 1 e também nos dias 2 e 3, das 9 às 17 horas.

Durante a exposição, haverá, no mesmo local, uma apresentação de painéis com projetos realizados pelo Programa de Gestão Socioambiental do ICMC, além de um painel mostrando uma pesquisa coordenada pela professora Luciana Schenk, do Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Carlos (IAU), sobre a caracterização socioambiental do entorno da área 2 do campus.

Na terça-feira, dia 2 de junho, é a vez do público conhecer uma nova tecnologia para combater a dengue, a malária e diversas pragas agrícolas, fruto de uma pesquisa realizada pelo professor Gustavo Batista, do ICMC. A apresentação também acontecerá no Espaço Pau-Brasil, das 9 às 11 horas e das 15 às 17 horas.

Já na quarta-feira, 3 de junho, às 10 horas, ocorrerá o plantio de uma árvore próximo ao auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano, simbolizando o início do processo de reposição das árvores que foram suprimidas do Instituto por apresentarem riscos. A programação prossegue às 14 horas com uma palestra sobre cultivo e manejo de orquídeas, que será ministrada pelo orquidófilo Cláudio Vismara também no auditório Fernão.

Além disso, de 8 a 12 de junho, será mantida a apresentação dos painéis do Programa de Gestão Socioambiental do ICMC no Hiperespaço Gilberto Francisco Loibel, no saguão da Biblioteca Achille Bassi. 

Comemoração ao Dia do Meio Ambiente no ICMC
Local: ICMC (área 1 do campus da USP em São Carlos, avenida Trabalhador são-carlense, 400, centro).
O evento é gratuito e aberto à participação de toda a comunidade
Mais informações: (16) 3373.9622

ICMC participa da 18ª Feira do Estudante - Expo CIEE 2015

Instituto estará presente no estande da USP e entregará novo guia especialmente desenvolvido para esclarecer as dúvidas dos estudantes

Novo guia convida estudante para fazer parte do futuro

Apresentar aos estudantes informações sobre carreiras, vestibular e profissões, motivando-os a fazer parte da Universidade de São Paulo. Esse é o principal objetivo do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, ao participar da 18ª Feira do Estudante – Expo CIEE 2015, que será realizada de 29 a 31 de maio, no prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo.

Professores e funcionários do Instituto estarão presentes nos três dias do evento, apresentando informações sobre os diferentes cursos oferecidos, esclarecendo as dúvidas do público e mostrando as possibilidades de atividades acadêmicas e extracurriculares. O ICMC dividirá um estande de 300 metros quadrados com diversas unidades da USP, incluindo a Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), o Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU), o Instituto de Química de São Carlos (IQSC) e o Instituto de Física de São Carlos (IFSC), que fazem parte do campus de São Carlos.

Quem gosta de demonstrações vai se divertir com um robô que o ICMC mostrará na Feira: ele é capaz de seguir a luz e foi produzido com uma placa Arduino, uma ferramenta aberta e livre para o desenvolvimento de projetos de hardware e software. Além disso, os estudantes poderão quebrar a cabeça com um objeto da área de educação matemática chamado Torre de Hanói. Haverá, ainda, a distribuição do novo guia Faça parte do futuro, criado pelo Instituto especialmente para esclarecer as dúvidas dos vestibulandos. O material também está disponível online em PDF e no ISSUU.

Torre de Hanói será uma das atrações
Para participar da 18ª Feira do Estudante - Expo CIEE 2015, é preciso se inscrever no site do evento. “A participação em feiras de estudantes como essa contribuem para trazer a USP mais para perto daqueles que queiram conhecê-la e mostrar que fazer parte dela pode ser um objetivo possível. A participação do Campus contribui ainda para demonstrar a qualidade e o vigor das atividades de ensino, de pesquisa e de extensão, apresentando uma alternativa de ensino superior de qualidade também no interior do Estado”, afirmou o professor João Marcos de Almeida Lopes, responsável pelo Grupo Coordenador de Cultura e Extensão Universitária da USP em São Carlos, que promove a participação do Campus no evento.

Com informações da Assessoria de Comunicação do Campus da USP em São Carlos


Mais informações
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Comissão de Informática do ICMC elege novo presidente e vice-presidente

Sousa e Wolf são, respectivamente, o novo presidente e vice-presidente da Comissão
O professor Fabrício Simeoni de Sousa foi eleito, em sessão realizada no último dia 25 de maio, o novo presidente da Comissão de Informática (CI) do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. Na mesma sessão, também foi eleito como vice-presidente o professor Denis Wolf. Ambos comandarão a CI pelos próximos dois anos.

Fabrício Simeoni de Sousa possui graduação em matemática pela UNESP, mestrado e doutorado em ciências de computação e matemática computacional pela USP e pós-doutorado pela Delft University of Technology, localizada na Holanda. Sousa tem experiência na área de matemática aplicada, com ênfase em análise numérica, atuando, principalmente, na solução numérica de equações diferenciais via método de diferenças finitas e elementos finitos, aplicados à simulação de escoamentos de fluidos envolvendo fronteiras móveis.

Já o professor Denis Wolf é graduado em ciências de computação pela UFSCar, possui mestrado em ciências de computação e matemática computacional pela USP, doutorado em ciências de computação pela University of Southern California, nos Estados Unidos, e pós-doutorado pela USP. Atualmente, Wolf coordena o Laboratório de Robótica Móvel (LRM) do ICMC e tem interesse nas áreas de veículos autônomos, robótica móvel, aprendizado de máquina e visão computacional. 

Mais informações
Comissão de Informática do ICMC: (16) 3373.9708

Inscrições abertas para Ênfase em Otimização no ICMC


O Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, recebe inscrições para a Ênfase em Otimização até 3 de junho. São oferecidas cinco vagas para os estudantes que queiram complementar sua formação. 

Podem se inscrever, no Departamento de Matemática Aplicada e Estatística do ICMC, todos os alunos de graduação da USP, em São Carlos, que possuam média geral igual ou superior a 7,0, sendo necessário apresentar uma cópia do histórico escolar atualizado (versão impressa do sistema Júpiter).

Mais informações
Departamento de Matemática Aplicada e Estatística do ICMC: (16) 3373.8121 ou 3373.9175
E-mail: sme@icmc.usp.br

terça-feira, 26 de maio de 2015

Ciclo de palestras Ciência e Riqueza Social mostra a matemática no cotidiano

Ciclo de palestras Ciência e Riqueza Social mostra como conceitos matemáticos estão envolvidos em situações do dia a dia que nem percebemos

José Alberto Cuminato, do ICMC, é o palestrante da próxima quinta-feira

Para alguns profissionais, a matemática pode parecer algo distante, que nada tem a ver com seu cotidiano. Mas a verdade é que essa ciência está envolvida em diversos momentos de nossas vidas e pode ser utilizada em situações que nem imaginamos, como na melhoria da produtividade de empresas e até mesmo em atividades governamentais.

Por isso, na próxima quinta-feira, 28 de maio, a matemática será o tema do ciclo de palestras Ciência e Riqueza Social. O professor José Alberto Cuminato, do Instituto de Ciências Matemáticas e Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, vai mostrar diversos exemplos de situações em que utilizamos essa ciência sem ao menos termos consciência disso. Ele vai explicar, ainda, como conceitos matemáticos bastante sofisticados podem ser utilizados por pessoas leigas sem muita dificuldade.

Cuminato é graduado em Licenciatura em Matemática pela Unesp, tem mestrado em Matemática pela USP e mestrado e doutorado em análise numérica pela Universidade Oxford. Atualmente, é coordenador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria, um dos Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O evento será realizado a partir das 19h30, no Museu da Ciência Mário Tolentino, e marca o encerramento do ciclo de palestras Ciência e Riqueza Social este semestre. A iniciativa voltará a ser realizada em agosto. A entrada é gratuita. Mais informações pelo site www.cienciaweb.com.br/cienciaeriquezasocial ou pelo telefone (16) 3307.6903.

Sobre o ciclo de palestras - Com o objetivo de mostrar a ciência desenvolvida nas universidades e institutos de pesquisa e como isso impacta a economia e a vida dos cidadãos, o Ciclo de Palestras Ciência e Riqueza Social traz, a cada quinze dias, sempre às quintas-feiras, diversos professores e pesquisadores para interagir com a comunidade. O evento é promovido pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA) Polo São Carlos da USP, pelo Núcleo de Apoio à Pesquisa em Software Livre (NAPSoL), com sede no ICMC, e pelo Museu da Ciência Mário Tolentino.


Texto: Thaís Cardoso - Assessoria de Comunicação do IEA
Foto: Reinaldo Mizutani - Assessoria de Comunicação do ICMC

Ciclo de palestras Ciência e Riqueza Social – Palestra com José Alberto Cuminato
Quando: 28 de maio, quinta-feira, às 19h30
Onde: Museu da Ciência Mário Tolentino – Praça Coronel Sales, s/nº (na esquina da Rua Major José Inácio com a Av. São Carlos), em São Carlos (SP)
Quanto: entrada gratuita
Mais informações: (16) 3307 6903

Um jequitibá-rosa para Rodrigo

Símbolo da longevidade, árvore foi escolhida para marcar a homenagem ao estudante que cursava Sistemas de Informação no ICMC

Família e amigos junto ao jequitibá-rosa, que está na área 2 do campus da USP em São Carlos

A muda de jequitibá-rosa irradia alegria, otimismo e determinação tal como Rodrigo Navarro Lima. Ele era estudante do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, e dá nome agora a essa pequena árvore, que poderá atingir até 50 metros de altura.

“Ele alçou um voo tão alto que deixou um rastro de luz para que possamos um dia alcançá-lo”. Foi assim que sua mãe, Roseli Navarro Lima, definiu a despedida de Rodrigo, que faleceu no dia 7 de julho de 2014, enquanto o estudante fazia intercâmbio na Alemanha.

Plantado na área 2 do campus da USP, com a colaboração das muitas mãos amigas que participaram da homenagem, o jequitibá-rosa é considerado a maior árvore nativa do Brasil. “Tão imensa e longeva é também a memória do Rodrigo, que permanecerá conosco indefinidamente através das influências e lembranças que deixou para nós”, afirmou o diretor do ICMC, Alexandre Nolasco de Carvalho, durante a cerimônia realizada na última quinta-feira, 21 de maio.

Diretor do ICMC relatou a trajetória de Rodrigo no ICMC

Carinhosamente chamado de Digão pelos colegas, Rodrigo sempre estava com um sorriso no rosto, contou o colega de turma Cainã D’Ajuda. “Nós criamos uma família de amigos aqui, chamada Toscos. O Rodrigo fazia parte dessa família, era muito companheiro e atraiu muita gente para a nossa turma. Sempre que chegava, ele nos abraçava e perguntava como nós estávamos. Se alguém se atrasava, ficava logo preocupado”, revela Pamela Almeida, que também começou a cursar Sistemas de Informação no ICMC em 2013 (veja o vídeo que a família Toscos fez em homenagem a Rodrigo).

“Lembro-me da primeira vez que o encontrei, nesse mesmo auditório, para uma palestra aos interessados no programa Unibral”, contou o professor Adenilso Simão. O professor recorda-se que, naquela palestra, Rodrigo se interessou muito pelo programa, mas achou que o estudante desistiria da empreitada, já que sequer sabia alemão, uma das exigências para participar do Unibral, programa financiado pela Capes no Brasil: “Mas ele era diferente. Ele corria atrás do que queria e começou a aprender alemão”. Logo, Rodrigo alcançou um nível de conhecimento razoável no alemão e, somado a seu inglês avançado, obteve uma bolsa do programa.

Professor Adenilso Simão coordena o programa Unibral no ICMC
O plano de Rodrigo era ficar um ano na Alemanha, mas a Capes sempre recusava os pedidos dos alunos do ICMC que desejavam permanecer lá mais do que um semestre. Então, o estudante descobriu que o problema era uma carta que a Universidade Leuphana, em Luneburg, enviava ao Brasil, escrita em alemão. Na carta, lia-se que a matrícula na universidade alemã era válida por seis meses e a Capes entendia que os estudantes só podiam permanecer lá por esse período.

Persistente, Rodrigo conseguiu uma nova carta da universidade e conquistou o direito de ficar um ano no país, beneficiando, assim, também os estudantes que futuramente participarão do programa. “De novo, Rodrigo correu atrás do que queria e conseguiu. Lembro-me da alegria dele em uma das nossas últimas conversas, logo depois de descobrir que poderia ficar lá por um ano,” completou Simão.

“Com certeza, existe a colaboração de cada um que aqui está no progresso do Rodrigo. Vocês ajudaram a completar um pouco da pessoa que ele sempre foi”, finalizou a mãe. A jornada do estudante pelo ICMC influenciou também a irmã, Renata Navarro Lima, que ingressou este ano no curso de Matemática e pretende obter tanto o grau de Bacharelado quanto o de Licenciatura. Com certeza, o jequitibá-rosa iluminará Renata em seu voo.




Denise Casatti – Assessoria de Comunicação do ICMC/USP
Fotos: Reinaldo Mizutani - Assessoria de Comunicação do ICMC/USP

Mais informações
Assessoria de Comunicação do ICMC: (11) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Palestras da semana - 25 a 29 de maio


Palestra de Informação Profissional
Visão geral sobre banco de dados
Palestrante: Elaine Parros Machado de Sousa (ICMC)
Quando: segunda-feira, 25 de maio, às 14h
Onde: auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano (sala 6-001)
Clique aqui para ver o resumo
---------

Seminário do grupo Topologia do Interior
Some compactifications of the real line
Palestrante: Guilherme Trajano de Santana (ICMC)
Quando: terça-feira, 26 de maio, às 19h
Onde: sala 3-104
Clique aqui para ver o resumo
---------

Seminários de Computação (BSI)
Colab - Um servidor de integração de softwares HTTP
Palestrante: Sergio Oliveira Campos
Quando: quarta-feira, 27 de maio, às 18h
Onde: auditório Luiz Antonio Favaro (sala 4-111)
Clique aqui para ver o resumo
---------

Seminários de Geometria Diferencial Genérica
Obstrução de Euler e ações tóricas
Palestrante: Thais Dalbelo
Quando: sexta-feira, 29 de maio, às 8h30
Onde: sala 3-011
Clique aqui para ver o resumo
---------

Seminário de Coisas Legais
Pense positivo!!!
Palestrante: Daniel Smania (ICMC)
Quando: sexta-feira, 29 de maio, às 13h13
Onde: auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano (sala 6-001)
Clique aqui para ver o resumo
---------

Mais informaçõesAgenda de eventos do ICMC: www.icmc.usp.br/Portal/Eventos
Seção de Eventos: (16) 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br

Impressora 3D do ICMC já fabricou drone, peças para robôs e até impressora filha

Equipamentos são utilizados para a realização de pesquisas científicas no Instituto e têm contribuído para reduzir custos e agilizar trabalhos

Drone ou quadrirrotor é um dos produtos criados pela impressora

A impressora 3D montada pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, já está alavancando o progresso científico do Instituto. Ao longo de mais de um ano com a máquina, foi produzido um drone, peças robóticas e até mesmo outra impressora 3D. Essa possibilidade de desenvolver objetos essenciais para o andamento das pesquisas, sem depender de recursos adicionais, facilita muito o dia a dia dos pesquisadores.

Cada vez mais as impressoras 3D ganham espaço no cenário nacional e internacional, o uso em universidades e indústrias vem se tornando comum pela diversidade de aplicações que o equipamento oferece. Ao adquirir a impressora, o objetivo inicial do ICMC era construir peças para montagem de robôs. “Primeiramente, buscamos atender às nossas necessidades e dar oportunidade para os estudantes aprenderem. Hoje, temos a liberdade de montar a peça que quisermos sem ter que encomendá-las a outros laboratórios”, conta a coordenadora do Laboratório de Aprendizado de Robôs (LAR) do Instituto, Roseli Romero. Algumas das peças produzidas pela impressora foram usadas na Competição Latino-americana de Robótica (LARC) 2014.

A variedade de aplicações oferecidas pela impressora deu margem para o desenvolvimento de peças que podem ser usadas em outros objetos. Um quadrirrotor, ou drone, foi construído através da impressão das partes de sua estrutura. Quem desenvolveu o projeto foi o aluno de doutorado do ICMC Eduardo Fraccaroli, orientado pela professora Roseli: “Tentei utilizar um projeto open source disponível na internet, mas não atendeu todas as nossas necessidades. Então, tive que iniciar o processo de criação do zero e desenhar todo o quadrirrotor. Hoje, ele está 100% funcional.”, explica o estudante. 

O drone já voa de forma autônoma, possui uma câmera acoplada e chega a atingir 200 metros de altura e sua bateria dura, em média, 30 minutos. O doutorando disse que é possível incorporar novos atributos ao aparelho: “Diversos sensores podem ser acoplados e o quadrirrotor pode ser utilizado em diversas aplicações”.

Impressora contribui para alavancar o progresso científico do ICMC

Utilidades – Por meio de uma parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), estuda-se o emprego do quadrirrotor na agricultura. Roseli explica que a ideia é usar o drone para a captura de imagens das plantações de laranja, a fim de identificar, de forma precoce, a clorose variegada dos citros (CVC), doença popularmente conhecida como amarelinho, uma das pragas que mais afetam a cultura dos citros. “Com o quadrirrotor, vamos conseguir chegar mais perto das plantas e trabalhar na prevenção da doença”, diz a professora.

Outra aplicação do equipamento que já está sendo estudada é sua utilização para fazer tracking de veículos. Roseli explica que, nesse caso, o drone pode ser empregado para monitorar e encontrar veículos, como, por exemplo, em situações de perseguição policial, quando as autoridades precisam alcançar um carro em fuga.

Além disso, um desafio que também tem mobilizado os pesquisadores é a popularização do uso de impressoras 3D. “A meta é fazer com que a impressora 3D possa quebrar o paradigma atual do mercado, a partir dela todos terão a possibilidade de criar objetos personalizados”, conclui Fraccaroli. Nesse sentido, outro campo de pesquisa é o desenvolvimento de software livre para impressoras 3D, em conjunto com pesquisadores do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Software Livre (NAPSol), sediado no ICMC. 

Apesar da velocidade de impressão de uma impressora 3D ser considerada baixa (em média 30 minutos para imprimir uma peça comum), o mercado já está incorporando seu uso em algumas áreas. Empresas fabricantes de automóveis, por exemplo, usam a impressão 3D para produzir peças para os veículos, com isso, as empresas que desenvolvem essas impressoras estão começando a lucrar.

Esta impressora é filha da primeira impressora 3D montada no Instituto 

Sustentabilidade em foco – A impressora 3D do ICMC também já construiu outra impressora do gênero. Para a impressão, as máquinas fazem uso de diversas matérias-primas, tais como ABS, Nylon e borracha. Porém, a sobra de material utilizado após as impressões ainda é um problema. Esse cenário levou os pesquisadores a buscarem alternativas mais sustentáveis, como a utilização do plástico produzido com ácido polilático (PLA), que é 100% biodegradável.

“Nossa ideia é reduzir as sobras. Hoje, não consigo reutilizar 100% do material empregado, tenho que adicionar uma porcentagem de material virgem. Por isso, estamos pesquisando novas possibilidades e a meta é encontrar matérias-primas baseadas em fontes renováveis e que sejam biodegradáveis”, relata o estudante.

As pesquisas realizadas no LAR são financiadas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ). “Agradecemos a essas agências de fomento que nos ajudam a comprar o material necessário e concedem bolsas aos nossos alunos”, diz Roseli. Ela adianta que, em breve, submeterá um projeto à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) para a aquisição de uma impressora 3D que imprime usando metal. A proposta será realizada em conjunto pelo ICMC e pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), via Pró-Reitoria de Pesquisa da USP.

Texto: Henrique Fontes - Assessoria de imprensa ICMC/USP
Fotos: Reinaldo Mizutani - Assessoria de imprensa ICMC/USP


Mais informações
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Defesas e qualificações da semana - 25 a 29 de maio


Defesa de Mestrado no Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT
Um estudo sobre o uso de WebQuests para revisar conteúdos matemáticos
Aluno: Bruno de Moraes Turci
Orientadora: Miriam Cardoso Utsumi
Quando: segunda-feira, 25 de maio, às 9h
Onde: sala 3-002
---------------------

Defesa de Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Impacto das rajadas no desempenho de serviços executados em ambientes em nuvens
Aluna: Adriana Molina Centurion
Orientadora: Regina Helena Carlucci Santana
Quando: terça-feira, 26 de maio, às 8h30
Onde: sala 3-002
---------------------

Defesa de Mestrado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Modelação matemática de contatos lubrificados micro-texturizados
Aluno: Alfredo Del Carmen Jaramillo Palma
Orientador: Gustavo Carlos Buscaglia
Quando: quarta-feira, 27 de maio, às 14h
Onde: sala 3-002
---------------------

Defesa de Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Extração de tópicos baseado em agrupamento de regras de associação
Aluno: Fabiano Fernandes dos Santos
Orientadora: Solange Oliveira Rezende
Quando: sexta-feira, 29 de maio, às 9h
Onde: sala 3-002
---------------------

Defesa de Mestrado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Processamento de consultas analíticas com predicados de similaridade entre imagens em ambientes de data warehousing
Aluno: Jefferson William Teixeira
Orientadora: Cristina Dutra de Aguiar Ciferri
Quando: sexta-feira, 29 de maio, às 14h
Onde: sala 3-103
---------------------

Mais informações
Agenda de defesas e qualificações
Serviço de Pós-Graduação do ICMC: (16) 3373.9638
E-mail: posgrad@icmc.usp.br

Três noites de muita diversão e ciência: festival reúne mais de 400 participantes em São Carlos

Realizado pela primeira vez em uma cidade da América Latina, Pint of Science é sucesso de público; último dia do evento contou com discussões sobre robótica e sobre inovação em ciências matemáticas


Interação com o público marcou debate sobre robótica no último dia do festival

Os robôs dominarão o mundo? Precisamos ter medo deles? Eles roubarão nossos empregos ou vão salvar o mundo? As perguntas lançadas pelo professor Fernando Osório, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, incitavam a plateia que lotava as mesas de um restaurante na rua Sete de Setembro, em São Carlos, no último dia do festival de divulgação científica Pint of Science.

Enquanto isso, outra discussão científica era travada a menos de um quilômetro dali, em frente à praça XV de Novembro. "Inovação é gerar novas ideias, invenções e avanços tecnológicos. Além disso, esse conceito também está ligado à ideia de promovermos a melhoria de processos, de produtos e de serviços”, explicava o professor Francisco Louzada, do ICMC, no debate sobre inovação e ciências matemáticas.

Louzada (ao centro) com os convidados para o debate sobre inovação e ciências matemáticas

Permitir que a ciência se misture a esse ambiente descontraído das mesas de bares e restaurantes e provoque novos questionamentos, emoções e reações imprevisíveis. Esse é o principal objetivo do festival internacional Pint of Science. O primeiro laboratório da América Latina para a realização dessa experiência coletiva foi a cidade de São Carlos. Entre as descobertas ocorridas nesse processo, registradas no campo “críticas e sugestões” do folheto de avaliação do evento, um comentário prevalece: o público quer mais iniciativas como essas. 

O doutorando da UFSCar Cesar Antonio Alves da Rocha aprovou o festival. Ele já tinha ouvido falar sobre o Pint of Science, pois tem um amigo que estuda no exterior e que participou de edições anteriores do evento. “Quando fiquei sabendo que ia acontecer em São Carlos, quis logo participar para ver como seria”, contou. “Uma das sugestões que fiz é de convidar pesquisadores de áreas diferentes do conhecimento, com visões mais díspares, pois quanto mais dissenso, melhor para fazer o público refletir”, concluiu.

Já o pós-doutorando Rodrigo Miranda, da USP em Ribeirão de Preto, comentou que não conhecia o evento e gostou muito do fato de São Carlos ser a primeira cidade da América Latina a sediá-lo: “Adorei a parte em que aconteceu o debate entre o público e os convidados”.

O papo é robótica e sociedade – No debate sobre os impactos da robótica na sociedade, Osório admitiu: “Eu tenho medo de robô mal programado. Se um braço robótico industrial me acertar em uma fábrica, ele sequer vai saber que me atacou”. Ele completou: “Quem conhece um robô que respeita uma bandeira branca? A câmera térmica de um robô não é capaz de reconhecer isso. Ou seja, os humanos estão criando robôs incapazes de respeitar o direito de rendição em uma guerra”.

Na opinião do professor do ICMC, que é coordenador da Comissão Especial de Robótica da Sociedade Brasileira de Computação, é preciso criar condições e leis que tornem possível à sociedade responsabilizar os culpados pelas ações dos robôs. “No caso de um acidente com um carro autônomo (que se locomove sem motorista), os sensores presentes no veículo devem ser capazes de identificar se a pessoa se jogou na frente do carro intencionalmente ou se foi o freio que não foi acionado por um defeito de fabricação”, exemplificou Osório.

Entre os diversos convidados para o bate-papo estava o professor Fábio Ramos, da Universidade de Sydney, na Austrália. “A robótica está revolucionando a medicina. Em breve, vamos engolir robôs em formato de pílulas que vão se mexer dentro da gente e nos filmar para ver o que está acontecendo lá dentro. Só não me pergunte como eles serão recuperados”, brincou Ramos.

Entre as questões polêmicas debatidas estava o impacto da automação e o possível aumento do desemprego. “Há vários aspectos que não são levados em conta quando discutimos essa questão. Não dá para negar que, com o avanço da robótica e da automação, há um deslocamento do emprego. Mas também precisamos levar em conta que a automação está salvando o mundo em relação à produção de alimentos”, ponderou.

Para o pesquisador Heber de Carvalho, que é professor do Centro Universitário de Araraquara (UNIARA) e da Universidade Anhanguera, a tecnologia poderá tornar o mundo mais sustentável e reduzir o impacto do consumo. “Com as impressoras 3D entraremos em um processo de customização em massa. Não vamos mais depender de uma linha de produção para fabricarmos os produtos de que necessitamos. Se precisarmos de camisetas, elas serão feitas sob medida, sem defeitos, e na quantidade exata, sem desperdício”, disse Carvalho. 

A professora do ICMC Roseli Romero lembrou ainda o papel fundamental dos robôs na realização de atividades perigosas para os humanos e a busca pelo desenvolvimento de robôs capazes de interagir de modo cada vez mais natural com as pessoas. Roseli é vice-coordenadora do Centro de Robótica de São Carlos (CROB), que é sediado na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC).

Osório (terceiro da esquerda para a direira) com os convidados para o debate sobre robótica e sociedade

O papo é inovação em ciências matemáticas – "As ciências matemáticas estão presentes em diversas tarefas do nosso dia a dia e não é diferente no cotidiano das empresas. Um levantamento mostrou que as companhias que alcançaram altos níveis de desenvolvimento tecnológico promovem a aplicação das ciências matemáticas como ferramenta e estão localizadas nos países mais desenvolvidos", contou o professor Louzada no debate sobre a inovação em ciências matemáticas. 

Louzada é coordenador de transferência tecnológica do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. Durante o bate-papo, ele apresentou alguns dos cerca de 50 projetos que estão sendo realizados pelo Centro em parceira com mais de 30 empresas.

“Ninguém se lembra de que o celular só funciona porque existem alguns teoremas e que a maioria das inter-relações de seguros e empréstimos só funcionam porque existem as ciências matemáticas. Aliás, nenhuma sociedade se desenvolveu sem levar isso em conta. Para sermos um país em desenvolvimento, teremos que passar pela matemática como uma ferramenta de produção”, defendeu o professor José Alberto Cuminato, que é professor do ICMC e presidente do CeMEAI.

O sócio e diretor científico da empresa DNA Consult Genética e Biotecnologia, Euclides Matheucci Junior, deu o próprio exemplo para ilustrar a relevância da matemática. “Eu trabalho com uma tecnologia nova, que é genômica. Alguns anos atrás, eu tirava o sangue, tratava os dados e emitia um laudo. Hoje é impossível fazer isso porque muitos dados são gerados. Por isso, preciso de uma matemática robusta para me ajudar”, finalizou.

Sobre o Pint of Science – No Brasil, o Pint of Science foi realizado pelo ICMC e contou com o apoio dos restaurantes Mosaico e Espaço Sete, da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), do Núcleo de Apoio ao Software Livre (NAPSoL), do CeMEAI, do projeto Contribuinte da Cultura e da Oz Produtora.


Texto: Denise Casatti – Assessoria de Comunicação do ICMC/USP
Com o apoio de Keite Marques (Assessoria de Comunicação da EESC/USP) e Carla Monte Rey (Assessoria CeMEAI)

Fotos: Reinaldo Mizutani (inovação e ciências matemáticas) e Paulo Arias (robótica e sociedade)


Mais informações
Site do evento: www.pintofscience.com.br
Veja o álbum de fotos no Facebook: www.facebook.com.br/pintofsciencebrasil
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Ciência no boteco: a matemática invade São Carlos

Enquanto a matemática e a beleza encantavam a plateia em frente à praça XV de Novembro no festival Pint of Science, a matemática e a economia solidária mobilizavam um debate na rua Sete de Setembro

Festival acontece simultaneamente em 9 países

O que é a beleza? A pergunta que instiga a humanidade e já tentou ser respondida por filósofos, artistas, cientistas e tantos outros especialistas e pessoas comuns continua sem uma resposta exata. Mas na noite do dia 19 de maio, dois matemáticos são-carlenses se arriscaram a relacionar esse conceito indefinido – a beleza – com a matemática. 

“Quando uma pessoa vê um quadro que considera belo ou escuta uma música que julga ser bonita ativa uma região do cérebro que se localiza logo acima dos nossos olhos. E quando um matemático se depara com uma equação que julga bela, essa mesma região é ativada”, explicou o professor Daniel Smania, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP.

Smania explorou as conexões entre matemática e beleza
Enquanto as possíveis conexões entre matemática e beleza eram estabelecidas diante da plateia em frente à praça XV de Novembro, em São Carlos, um debate mobilizava o público na rua Sete de Setembro, a menos de um quilômetro dali. Lá, o tema também era matemática, porém sob outra perspectiva: suas relações com a economia solidária. "A matemática está atrelada ao nosso cotidiano e também é importante na cadeia do empreendedorismo em economia solidária para a realização de ações e a tomada de decisões", contou a professora Renata Meneghetti, do ICMC.

Os dois bate-papos sobre matemática marcaram a segunda noite do festival de divulgação científica Pint of Science no Brasil. São Carlos é a primeira cidade da América Latina a participar do evento, que está mobilizando mais de 50 cidades espalhadas por oito países. O Pint of Science prossegue até esta quarta-feira, 20 de maio (confira a programação). Durante as três noites do festival, cientistas de várias partes do mundo saem de seus laboratórios para mostrar o que eles estão pesquisando e qual o impacto disso na vida das pessoas.

Renata mostrou a relevância da etnomatemática nos empreendimentos em economia solidária

O papo é matemática e beleza – “Para tornar a matemática interessante e bela, precisamos fazer conexões com a vida real. Como somos movidos pela necessidade, se vislumbrarmos a importância do raciocínio lógico no nosso dia a dia, poderemos enxergar a beleza da matemática e despertar novos talentos”, argumentou a professora Thaís Jordão, coordenadora do debate sobre matemática e beleza. “Mas se continuarmos ensinando matemática de uma forma extremamente mecânica, não alcançaremos esse objetivo”, completou.

Na exposição de Daniel Smania, a beleza da matemática foi dividida em quatro diferentes aspectos: a beleza dos objetos matemáticos, dos problemas matemáticos, das aplicações matemáticas e dos argumentos matemáticos. Em relação aos objetos matemáticos, o professor trouxe como exemplo a imagem de um fractal chamado conjunto de Mandelbrot (assista ao vídeo: icmc.usp.br/e/0d4fc). 

Conjunto de Mandelbrot

Um fractal são figuras geométricas que fogem ao padrão dos tradicionais quadrados, círculos, retângulos e triângulos, que fazem parte da geometria ensinada nas escolas. Um fractal é como uma famosa boneca russa – as matrioscas – que contém bonecas menores dentro de si. Em cada fractal, há cópias menores similares ao todo e, dentro de cada uma dessas cópias, existem cópias ainda menores e, assim, sucessivamente. Definidos por uma teoria matemática sofisticada, os fractais se materializam em belíssimas formas e cores através de imagens geradas por computadores.

“Um raio não se parece com uma reta. A superfície do mar não é plana. Uma montanha não é um tetraedro. Se tentarmos compreender o mundo usando as figuras geométricas tradicionais, não vamos conseguir entendê-lo. Precisamos de uma nova geometria para descrever essas coisas, e é aí que nasce a geometria fractal”, revelou Smania. 

Já em relação à beleza dos problemas matemáticos, o professor fez um paralelo com o futebol: “Se você é um bom jogador de futebol, não vai querer jogar bola contra mim. Você vai ganhar fácil. Você precisa de alguém que esteja no seu nível, para desafiá-lo. Com os matemáticos também é assim: precisamos de problemas que nos desafiem, mas que não estejam muito além das nossas capacidades, a ponto de termos alguma esperança de que possamos ganhar a partida.”

O bate-papo também contou com a participação do biólogo Luiz Roberto Jordão, que é proprietário de um orquidário em Corumbataí, a cerca de 55 quilômetros de São Carlos. “A beleza inspira a perfeição. Quando vamos julgar uma orquídea, que é minha paixão, precisamos analisar a perfeição da flor pela sua simetria”, disse Jordão, que levou algumas orquídeas para demonstrar os critérios empregados nos julgamentos das associações orquidófilas.

Segundo o biólogo Jordão, é preciso analisar a perfeição de uma orquídea pela sua simetria

O papo é matemática e economia solidária – "Economia solidária é uma forma diferente de gerar renda, pautada nos princípios da cooperação, solidariedade e autogestão”, explicou a professora Renata no início do debate sobre matemática e economia solidária. Ela contou sobre o trabalho realizado pelo grupo de pesquisa em Educação e Matemática Solidária (EduMatEcoSol) do ICMC em parceira com o Núcleo Multidisciplinar e Integrado de Estudos, Formação e Intervenção em Economia Solidária (NuMI-EcoSol) da UFSCar.

Os pesquisadores realizam intervenções em empreendimentos em economia solidária, criando formas alternativas de trabalhar o processo de ensino e aprendizagem de matemática. Para isso, usam o conceito da etnomatemática, que é uma forma de ver a matemática considerando as condições econômicas, sociais e culturais do contexto em que ela está inserida. Por exemplo: a matemática vivenciada pelos indígenas, pela dona de casa, pela costureira, pelo empresário é distinta em função das diferentes realidades em que essas pessoas vivem. "A etnomatemática é motivada pela busca do entendimento do saber e fazer matemática no transcorrer da história da humanidade, que muda constantemente. Levando essas transformações em conta, é possível deixarmos a matemática mais interessante para ser ensinada e aprendida", explicou Renata.

Economia solidária é uma forma diferente de gerar renda

Segundo um dos participantes do debate, o mestrando Tiago dos Santos Junior, da UFSCar, o projeto realizado pelos pesquisadores conecta matemática e sustentabilidade: “Sustentabilidade é quando a gente consegue usar o sistema e o meio ambiente, satisfazendo nossas necessidades sem prejudicar as futuras gerações. Nesse sentido, a economia solidária e a educação matemática, envolvendo também os empreendimentos, permitem que as novas gerações sejam incluídas e participem de alguma forma dos aprendizados e princípios propostos".

Entre os diversos participantes do debate, estava também Rose Macedo, que faz parte de um dos empreendimentos em economia solidária, o Banco Nascente. "Estou há quatro anos envolvida com economia solidária e com um banco comunitário atuante em uma periferia mais carente. Aprender e aplicar a matemática é essencial para todo o processo de empréstimos disponibilizados à comunidade, pois é preciso calcular corretamente as planilhas para fornecermos a quantia certa a cada morador", finalizou.

Sobre o Pint of Science – No Brasil, o Pint of Science está sendo realizado pelo ICMC e conta com o apoio dos restaurantes Mosaico e Espaço Sete, da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), do Núcleo de Apoio ao Software Livre (NAPSoL) e do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

Texto: Denise Casatti - Assessoria de Comunicação ICMC/USP
Com o apoio de Keite Marques - Assessoria de Comunicação da EESC/USP

Fotos: Paulo Arias (matemática e beleza) e Reinaldo Mizutani (matemática e economia solidária) 

Mais informações
Site do evento: www.pintofscience.com.br
Veja o álbum de fotos no Facebook: www.facebook.com.br/pintofsciencebrasil
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

terça-feira, 19 de maio de 2015

PET-Cult debate O Guia do Mochileiro das Galáxias


O último PET-Cult deste semestre irá debater o livro O Guia do Mochileiro das Galáxias, obra de Douglas Adams que conta a história de dois amigos ingleses que fogem da destruição na Terra, pegando carona em uma nave alienígena. A conversa será dia 25 de maio, às 19h30, no auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. O evento é gratuito e aberto a todos os interessados.

Sobre o PET-CultO projeto PET-Cult é promovido pelo Programa de Educação Tutorial (PET-Computação) do ICMC e tem o intuito de estimular o pensamento crítico e o desenvolvimento pessoal a partir de discussões motivadas por um tema, um livro ou um filme. O PET-Computação busca propiciar aos alunos, sob a orientação do professor Moacir Ponti Junior, condições para a realização de atividades extracurriculares.

Mais informaçõesPágina do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/366003623593500/
Site do PET-Computação: http://pet.icmc.usp.br
Telefone: (16) 3373.9703

Um brinde à ciência: Pint of Science estreia no Brasil

Tecnologia na educação e conhecimento livre foram os temas debatidos na abertura do festival internacional de divulgação científica


Para Monaco, pão francês é um exemplo de sucesso do conhecimento livre

“Não adianta o professor lutar contra a tecnologia em sala de aula, pois isso, de alguma forma, irá atrapalhar o aprendizado”. A frase do professor Seiji Isotani, normalmente ouvida nas salas de aula do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, ecoou em um ambiente diferente na noite da última segunda-feira, 18 de maio. Desta vez, ele falava para uma plateia sentada nas mesas de um restaurante, em frente à praça XV de Novembro, em São Carlos. Todos ali estavam ávidos por saber como a tecnologia pode facilitar o processo de ensino e aprendizagem.

Ao mesmo tempo, a menos de um quilômetro dali, o professor do ICMC Francisco José Monaco explicava para outra plateia – também sentada nas mesas de um restaurante – por que o pão francês pode ser considerado um produto do conhecimento livre. “A receita do pão francês está disponível livremente para todos nós. Não precisaríamos ir à padaria para comprá-lo, mas nós vamos porque, se fizéssemos pão em nossas casas, não sobraria tempo para as outras coisas que temos que resolver”, explicou o professor. 

Essas duas cenas marcaram a estreia do Pint of Science no Brasil, tornando São Carlos a primeira cidade da América Latina a participar do festival de divulgação científica que está mobilizando mais de 50 cidades espalhadas por oito países. O evento prossegue até a próxima quarta-feira, 20 de maio (confira a programação completa). Durante as três noites do festival, cientistas de várias partes do mundo vão sair de seus laboratórios para mostrar o que eles estão pesquisando e qual o impacto disso na vida das pessoas.

Yvonne, Leonardo, Seiji e Edson (da esquerda para a direita):
múltiplas perspectivas sobre o uso da tecnologia na educação

O papo é tecnologia na educação – Para Isotani, o professor atrapalha o processo de aprendizagem quando luta contra a tecnologia em sala de aula: o aluno poderá acessar o conteúdo disponível na internet de uma maneira ilegal ou, se optar por não acessá-lo, provavelmente ficará disperso durante a aula. “Muitos dos problemas que vemos hoje na educação acontecem porque os professores não abraçaram a tecnologia. Precisamos integrar tecnologia e educação. O professor precisa aprender a utilizar as ferramentas tecnológicas a seu favor”, argumenta Isotani.

Entre os convidados para o debate estava a coordenadora de projetos do Instituto de Estudos Avançados (IEA) Polo São Carlos, Yvonne Mascarenhas. Para ela, a curiosidade das crianças e jovens é uma vantagem que os educadores devem valorizar: “Se mostrarmos a eles que existe um mundo de coisas interessantes a ser explorado por meio da tecnologia, eles poderão se divertir e aprender”.

Já o professor do ICMC Edson Moreira, explicou como tem usado as redes sociais em sala de aula para aumentar o interesse dos alunos e diminuir a distância entre professores e estudantes. “Utilizar as redes sociais para criar um espaço de discussão sobre conteúdos extracurriculares pode ser muito interessante”, ressaltou. Ele citou como exemplo os grupos fechados no Facebook que cria para promover a troca de informações por meio de enquetes ou postagens de notícias. “Percebemos que os alunos mais ativos nas redes sociais não são os mais ativos em sala de aula. Ou seja, essa é uma ferramenta muito útil para os mais tímidos e possibilita que os estudantes se conheçam”.

O psicólogo Leonardo Marques completou o debate mostrando como os jogos podem ser úteis para promover o engajamento dos estudantes. Ele também abordou a relevância de adaptar as ferramentas de ensino ao perfil de cada aluno.

Objetivo do evento é promover debates sobre ciência em
ambientes descontraídos como restaurante e bares

O papo é conhecimento livre – O inusitado exemplo de sucesso de conhecimento livre, o pão francês, chamou a atenção do público que acompanhava o debate coordenador pelo professor Monaco. Ele focou sua apresentação em uma das possibilidades do conhecimento sem proprietário: o software livre.

Segundo o professor, para um software ser assim classificado, é preciso existir liberdade para utilizá-lo, modificá-lo e distribui-lo. “O software nasceu livre, em um modelo de gestão de conhecimento baseado no valor da geração do conhecimento. Depois, passamos a ter o software proprietário, em que o modelo é diferente: baseado no valor do comércio”, contou.

Entre os vários convidados para a mesa de debate estavam desenvolvedores de software livre, pesquisadores e estudantes. “A inclusão digital passa pelo software livre”, defendeu Priscila Gutierres, que está cursando Matemática Aplicada e Computação Científica no ICMC. Ela explicou que a vantagem da utilização do software livre na educação não se restringe a sua gratuidade: “Ao usar um software livre, os estudantes podem modificá-lo e participar de comunidades e fóruns que apoiam a utilização dessa ferramenta. Assim, eles passam a ter acesso a um conhecimento que não possuiriam caso comprassem um software em que ninguém pode mexer”, finalizou.

Eventos acontecem até a próxima quarta, 20 de maio

Sobre o Pint of Science No Brasil, o Pint of Science está sendo realizado pelo ICMC e conta com o apoio dos restaurantes Mosaico e Espaço Sete, da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), do Núcleo de Apoio ao Software Livre (NAPSoL) e do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.
Texto: Denise Casatti - Assessoria de Comunicação ICMC/USP
Com o apoio de Keite Marques - Assessoria de Comunicação da EESC/USP

Mais informações
Site do evento: www.pintofscience.com.br
Veja o álbum de fotos no Facebook: www.facebook.com.br/pintofsciencebrasil
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

Inscrições abertas para Ênfase em Mecânica dos Fluidos Computacional no ICMC


O Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, recebe até 29 de maio inscrições para a Ênfase em Mecânica dos Fluidos Computacional. São oferecidas 10 vagas para os estudantes que queiram complementar sua formação. 

Podem se inscrever, no Departamento de Matemática Aplicada e Estatística do ICMC, todos os alunos de graduação da USP, em São Carlos, que possuam média geral igual ou superior a 7,0, sendo necessário apresentar uma cópia do histórico escolar atualizado (versão impressa do sistema Júpiter).

Mais informações
Departamento de Matemática Aplicada e Estatística do ICMC: (16) 3373.8121 ou 3373.9175
E-mail: sme@icmc.usp.br

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Novo presidente da Comissão de Pesquisa do ICMC é eleito

Francisco Aparecido Rodrigues é o novo presidente
da Comissão de Pesquisa do ICMC
O professor Francisco Aparecido Rodrigues foi eleito, em sessão realizada no último dia 13 de maio, o novo presidente da Comissão de Pesquisa (CPq) do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. Ele comandará a Comissão pelos próximos dois anos.

Francisco Aparecido Rodrigues possui graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado em Física pela USP e, desde 2010, ministra aulas no ICMC. Sua pesquisa se concentra na análise, simulação e modelagem de processos dinâmicos e estocásticos em redes complexas. 

Mais informações
Comissão de Pesquisa do ICMC: (16) 3373.8876
E-mail: pesquisa@icmc.usp.br

Palestras da semana - 18 a 22 de maio



Seminário do grupo Topologia do Interior
Proving nothing is perfect
Palestrante: Amanda Figur (ICMC)
Quando: terça feira, 19 de maio às 19h00
Onde: sala 3-104
Clique aqui para ver o resumo
---------

Seminários da Pós-Graduação em Matemática
A criterion for Verjovsky' s conjecture
Palestrante: Rodrigo Ribeiro Lopes
Quando: terça-feira, 19 de maio, às 13h00
Onde: sala 3-010
Clique aqui para ver o resumo
---------

Seminários de Equações Diferenciais
Quantitative regularity results for singular and degenerate problems
Palestrante: José Miguel Urbano (Universidade de Coimbra, Portugal)
Quando: quarta-feira, 20 de maio, às 16h
Onde: auditório Luiz Antonio Favaro (sala 4-111)
Clique aqui para ver o resumo
---------

Seminários em Computação (BCC)
Tecnologias na Educação: o que a Ciência da Computação tem a ver com isso?
Palestrante: Carla Rodriguez (pós-doc do ICMC)
Quando: quarta-feira, 20 de maio, às 14h20
Onde: auditório Luiz Antonio Favaro (sala 4-111)
Clique aqui para ver o resumo
---------

Colóquios das Licenciaturas
Os Institutos Federais (IF) e a carreira docente
Palestrante: Wania Tedeschi
Quando: quinta-feira, 21 de maio, às 17h30
Onde: auditório Luiz Antonio Favaro (sala 4-111)
Clique aqui para ver o resumo
---------

Palestra
Seminários de Geometria Diferencial Genérica: Scilicing corank 1 map germs
Palestrante: Ton Marar (ICMC)
Quando: sexta-feira, 22 de maio, às 8h30
Onde: sala 3-011
Clique aqui para ver o resumo
---------

Seminários da Pós-Graduação
Modelling and Simulation of Compressible Plasma Flow in a High Current Circuit Breaker
Palestrante: Rolf Jeltsch
Quando: sexta-feira, 22 de maio, às 14h
Onde: auditório Luiz Antonio Favaro (sala 4-111)
Clique aqui para ver o resumo
---------

Mais informações
Agenda de eventos do ICMC: www.icmc.usp.br/Portal/Eventos
Seção de Eventos: (16) 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Defesas e qualificações da semana - 18 a 22 de maio


Defesa de Mestrado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Consultas por similaridade no modelo relacional
Aluno: Gabriel Vicente de Pierro
Orientador: Caetano Traina Junior
Quando: segunda-feira, 18 de maio, às 14h
Onde: sala 3-002
---------------------

Defesa de Mestrado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Método híbrido de alta ordem para escoamentos compressíveis
Aluno: Vitor Alves Pires
Orientadora: Maria Luísa Bambozzi de Oliveira
Quando: terça-feira, 19 de maio, às 15h
Onde: sala 3-002
---------------------

Mais informações
Agenda de defesas e qualificações
Serviço de Pós-Graduação do ICMC: (16) 3373.9638
E-mail: posgrad@icmc.usp.br

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Sala de convivência do ICMC é dedicada à memória de funcionário

Pela primeira vez, Instituto nomeia espaço em homenagem a um funcionário técnico-administrativo; evento também marcou a despedida de quatro funcionários que aderiram ao Programa de Incentivo à Demissão Voluntária (PIDV) da USP

Família do homenageado junto com o diretor do Instituto no descerramento da placa
O cheiro de café invade a sala. Ao lado da porta de vidro da entrada, na parede do lado direito, uma placa reluzente anuncia: sala de convivência Marcos José Pisani. É a primeira vez que um dos ambientes do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, recebe o nome de um funcionário técnico-administrativo. 

A história de Marquinho, como era carinhosamente chamado Pisani, que faleceu em julho de 2014, está intimamente ligada a essa sala. Era ali que, nos últimos três anos, todas as manhãs, às 8 horas em ponto, ele esperava pela funcionária Vera da Silva sentado em um dos sofás. O ritual se repetia às 13 horas. Juntos, os dois preparavam o café, que é servido sempre às 9 horas e às 15 horas na sala de lazer, além daquele que é levado aos eventos, às qualificações, defesas e reuniões que acontecem rotineiramente no Instituto. 

“Essa placa simboliza, de maneira distinta e especial para cada um de nós, a permanência do Marquinho conosco. É um justo reconhecimento à dedicação do servidor e companheiro, aos momentos que passamos aqui discutindo aspectos cotidianos do nosso trabalho, o futuro da Universidade, do país, do mundo ou simplesmente compartilhando experiências pessoais”, disse o diretor do ICMC, Alexandre Nolasco de Carvalho, durante a cerimônia de descerramento da placa, que aconteceu na última terça-feira, 12 de maio. 

“Onde ele estiver, deve estar muito feliz, porque ele era apaixonado pelo serviço que fazia aqui. O ICMC era a vida dele”, disse a sobrinha de Marquinho, Eliane Gambin. O funcionário começou a trabalhar no ICMC em maio de 1985 e, um ano depois, foi a vez de Lourdes Souza ser contratada: “Ele me recebeu com muita alegria e me ensinou tudo o que eu tinha que fazer”. Mesmo depois de se aposentar, há quatro anos, Lourdes mantinha constantemente contato com Marquinho. 

Durante a homenagem, o diretor do Instituto destacou: “aqueles que deixam o nosso convívio permanecem conosco indefinidamente através das influências que deixaram em nós”. 

Marquinho dedicou 29 anos de sua vida ao ICMC

Despedida dos recém-desligados – O final da cerimônia foi marcado pela despedida a quatro funcionários recém-desligados, que aderiram ao Programa de Incentivo à Demissão Voluntária (PIDV) da USP: Luiz Paulo Mattas, Maria Alice Soares de Castro, Sonia Maria Moreto Trindade e Valdir de Oliveira Martins.

“Minha história na USP começou no CAASO, fiz extensivo lá”, revelou Maria Alice, que atuava na Seção Técnica de Informática. “O ambiente de trabalho, muitas vezes, faz mais parte da nossa vida do que a nossa família, por isso, deve ser sempre uma experiência boa”, completou.

Maria Alice ressaltou importância de termos um bom ambiente de trabalho

Já a funcionária Sonia, que trabalhava na mesma área, lembrou-se da época em que ministrou cursos de TeX, quando ainda não existiam internet nem computadores no Instituto. “Não era possível fazer buscas via computador, tudo precisava ser descoberto nos livros que tínhamos na biblioteca. Ministrei aulas sobre TeX para 30 turmas”, contou.

Sonia lembrou tempo em que não havia computadores nem internet
Para o motorista aposentado Luiz Mattas, o período em que trabalhou na USP foi marcado por muitas transformações: “A maioria de vocês já viajou comigo. Desde que entrei aqui, foram muitas mudanças. Os carros não tinham nem ar condicionado. Depois, vieram os celulares e a gente foi se adaptando. Mas chega uma época em que não temos mais a mesma agilidade de antes”.

Mattas falou sobre as mudanças ocorridas durante o período em que trabalhou no ICMC
O diretor do ICMC agradeceu aos funcionários pela parceria e dedicação amiga ao Instituto nesses muitos anos de convivência e fez um pedido aos recém-desligados para que continuem presentes nas confraternizações do Instituto e em todas as oportunidades que surgirem.

Texto: Denise Casatti – Assessoria de Comunicação ICMC/USP

Mais informações
Assessoria de Comunicação ICMC: (13) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br