segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Mostra de jogos digitais acontece na USP em São Carlos dia 7

Projetos de alunos do ICMC e do grupo de desenvolvimento de jogos Fellowship of the Game serão apresentados junto com iniciativas de outras instituições de ensino da região



Uma mostra de jogos digitais vai agitar o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, dia 7 de dezembro, das 14 às 18 horas. Gratuita e aberta a todos os interessados, a mostra tem como objetivo promover a integração entre estudantes, pesquisadores e desenvolvedores de jogos. 

A iniciativa vai marcar o encerramento da primeira disciplina de desenvolvimento de jogos oferecida aos alunos do curso de Ciências de Computação do ICMC. Além dos trabalhos desenvolvidos pelos estudantes em sala de aula, o público também poderá conferir os projetos realizados pelo grupo de desenvolvimento de jogos Fellowship of the Game (FoG) e de outras instituições da região como o Laboratório de Tecnologia da Informação Aplicada, da UNESP, em Bauru, e do grupo Holy Dice, da FATEC de Americana. Entre os convidados também estão os estúdios 6 CORP e Grumpy Panda e o desenvolvedor independente e professor Kleber Andrade, que faz doutorado na Escola de Engenharia de São Carlos.

O evento começará com a palestra Desenvolvimento de jogos: a universidade e o mercado nacional, às 14 horas, no auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano, no bloco 6 do ICMC. A palestra será ministrada por Kleber Andrade e por Tales Sampaio, desenvolvedor do estúdio Grumpy Panda. Também haverá relatos da experiência dos estudantes que participaram da disciplina de desenvolvimento de jogos oferecida no ICMC.

Em seguida, às 15 horas, ocorrerá a mostra dos projetos no saguão da Biblioteca Achille Bassi, também no ICMC. Durante a mostra, será possível jogar Rainbow Six Siege e serão distribuídos brindes. O evento não demanda inscrições prévias.

Mostra de jogos digitais no ICMC
Onde: auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano e saguão da biblioteca Achille Bassi (Av. Trabalhador São Carlense, 400)
Quando: quarta-feira, 7 de dezembro
Horário: 14 às 18 horas.
Página do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1273453379386255/
Mais informações: (16) 3373-9622 / eventos@icmc.usp.br

Palestras da semana - 28 de novembro a 5 de dezembro



Seminários da Pós-Graduação em Matemática
Bi-Lipschitz Equisingularity of a family of curves and Determinantal Surfaces
Palestrante: Thiago Filipe da Silva (ICMC)
Quando: quarta-feira, 30 de novembro, às 13 horas
Onde: sala 3-010
Clique aqui para ver o resumo
----------

Palestra
Degenerações da matriz quadrada genérica
Palestrante: Zaqueu Ramos (Universidade Federal de Sergipe)
Quando: quinta-feira, 1 de dezembro, às 16 horas
Onde: sala 3-009
Clique aqui para ver o resumo
----------

Mais informações
Seção de Eventos: (16) 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Defesas e qualificações - 28 de novembro a 2 de dezembro





Qualificação de Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Estudo de línguas no espaço e no tempo usando redes complexas
Aluno: Henrique Ferraz de Arruda
Orientador: Luciano da Fontoura Costa
Quando: segunda-feira, 28 de novembro, às 10 horas
Onde: sala 3-103
-------------------

Defesa de Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Solução numérica do modelo constitutivo KBKZ-PSM para escoamentos com superfícies livres
Aluna: Juliana Bertoco
Orientador: Murilo Francisco Tomé
Quando: terça-feira, 29 de novembro, às 14 horas
Onde: auditório Luiz Antonio Favaro (sala 4-111)
------------------

Defesa de Doutorado em Matemática 
Soluções de equilíbrio de EDPs usando base de Chebyshev
Aluno: Edward Luís de Araújo
Orientador: Márcio Fuzeto Gameiro
Quando: quarta-feira, 30 de novembro, às 14 horas
Onde: sala da Congregação (sala 4-112)
------------------

Defesa de Mestrado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Algoritmos de casamento de imagens com filtragem adaptativa de outliers
Aluno: Jonathan da Silva Ramos
Orientadora: Agma Juci Machado Traina
Quando: quinta-feira, 1 de dezembro às 15 horas
Onde: sala 3-002
 ------------------

Mais informações
Agenda de defesas e qualificações: http://www.icmc.usp.br/eventos/defesas-e-qualificacoes
Serviço de Pós-Graduação do ICMC: (16) 3373.9638
E-mail: posgrad@icmc.usp.br

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Programar pode ser fácil e divertido: venha para a Hora do Código na USP em São Carlos

Se você nunca teve a chance de programar, o evento que acontecerá no ICMC dia 9 de dezembro é uma oportunidade para começar a entender como funciona o universo da computação

Iniciativa faz parte de um movimento global que acontecerá em 180 países

Um evento para as pessoas de todas as idades experimentarem o que é programar de uma forma prática, fácil e divertida. Esse é o objetivo da Hora do Código, iniciativa que acontecerá no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, dia 9 de dezembro. Não é preciso ter qualquer conhecimento prévio sobre o assunto para participar do evento, que é gratuito e aberto a todos os interessados. 

A iniciativa faz parte de um movimento global que já atingiu 296 milhões de pessoas em todo o mundo. O objetivo é mostrar que todos podem aprender os fundamentos básicos da computação. “É um convite para que as pessoas se dediquem, durante uma hora, a resolver uma série de desafios intuitivos e lúdicos”, explica o professor Fernando Osório, do ICMC. Ao solucionar esses desafios, a pessoa passa a entrar em contato com alguns conceitos fundamentais de ciências de computação. “Não é preciso ter nenhum conhecimento prévio porque, nos exercícios, há um passo a passo explicando o que deve ser realizado e nós também disponibilizaremos tutores para ajudar quem tiver qualquer dificuldade”, completou Osório.

Para possibilitar a participação do maior número possível de pessoas no evento, as atividades serão realizadas em dois horários no dia 9 de dezembro. Quem optar por se inscrever no período da manhã, deverá chegar ao auditório Fernão Stella Rodrigues Germano, no bloco 6 do ICMC, campus 1 da USP em São Carlos, às 9 horas. Já aqueles que desejarem participar do evento no período da tarde deverão chegar ao local às 14 horas. No total, são oferecidas 120 vagas, 60 em cada período. 

Os laboratórios do Instituto serão usados para as atividades, recomenda-se apenas que os participantes tragam seus próprios fones de ouvido. Quem completar todos os exercícios propostos receberá um certificado de participação. Crianças menores de 10 anos poderão participar desde que venham acompanhados por um responsável. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas até as vagas se esgotarem por meio do preenchimento do formulário disponibilizado neste link: http://www.icmc.usp.br/e/c0494

A atividade tem o apoio da Comissão de Cultura e Extensão Universitária (CCEx) do ICMC e está alinhada com iniciativas que ocorrerão em outras localidades espalhadas por mais de 180 países. “Nosso objetivo é trazer a comunidade para dentro da Universidade, incentivando e motivando as crianças e os jovens a seguirem carreiras na área de ciências exatas, além de mostrar que a computação e a matemática não são um bicho de sete cabeças”, esclarece o professor Seiji Isotani, vice-presidente da CCEx. No Brasil, a coordenação da Hora do Código fica a cargo da Code.org, uma organização sem fins lucrativos dedicada a expandir o ensino de ciências de computação.


Texto: Denise Casatti - Assessoria de Comunicação ICMC/USP
Crédito das imagens: foto 1 - Lady Adams; foto 2 - Denise Casatti

Hora do Código no ICMC
Onde: auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano (bloco 6 do ICMC - Av. Trabalhador São Carlense, 400)
Quando: sexta-feira, 9 de dezembro
Horário: 9 ou 14 horas.
Formulário para inscrições: http://www.icmc.usp.br/e/c0494
Mais informações: (16) 3373-9622 / eventos@icmc.usp.br

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Aplicativo poderá agilizar atendimento a vítimas de trânsito e contribuir para a prevenção de acidentes


Utilizar tecnologia para preservar a vida. Foi com esse propósito que três estudantes do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) e da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), ambos da USP, uniram-se para desenvolver um aplicativo gratuito para smartphones, o Safety, capaz de automaticamente identificar colisões veiculares e realizar chamadas de emergência com agilidade e eficácia.

Quando acontece uma colisão e o usuário do veículo está com o Safety ativado em seu smatphone, o aplicativo utiliza uma tecnologia interligada a uma plataforma web capaz de informar as coordenadas geográficas exatas da localização do acidente, previsão de gravidade da ocorrência e os dados do histórico médico das vítimas. Além disso, o sistema capta anonimamente o comportamento dos usuários para ajudar os gestores a identificar pontos críticos das vias.

O aplicativo foi criado pelo grupo Safe Ride Brasil, do qual fazem parte os estudantes Murilo Pratavieira e Cristiano José dos Santos, do curso de Engenharia de Computação, oferecido conjuntamente pela EESC e pelo ICMC, e pelo ex-aluno da EESC Bruno Milaré Granzo, que fez Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas de Energia e Automação. Eles receberam apoio do Centro Avançado EESC para Apoio à Inovação (EESCIn) e destacaram, em especial, a colaboração dos professores Daniel Capaldo Amaral e Sergio Persival Baroncini Proença, da servidora Rosane Aranda e do colaborador Paulo Lopes.

Reconhecimento - Três meses após tirar a ideia do papel, com um protótipo funcional em validação, o aplicativo foi selecionado em três processos de aceleração: o primeiro do BraziLab, que busca inovações de impacto para o setor público; o segundo do Instituto Innovaction, uma iniciativa da Microsoft que visa facilitar a viabilização de startups de impacto; e o mais recente do MobiLab, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Transportes da Prefeitura de São Paulo.

O projeto agora está na fase de validação e expansão e o objetivo é mantê-lo gratuito para usuários e para os serviços públicos de urgência, como o SAMU e o Corpo de Bombeiros. Para isso, a equipe lançou um financiamento coletivo na plataforma Catarse a fim de captar os recursos necessários para a segunda fase de desenvolvimento.

Texto: Assessoria de Comunicação da EESC

Mais informações
Safe Ride Brasil: (11) 9.9843-0333 e (16) 9.9372-1878

Coral da USP São Carlos e grupo de música erudita são atrações da próxima sexta no ICMC

Apresentações são gratuitas e abertas a todos os interessados

Grupo de música erudita Ad Libitum apresenta-se às 19 horas

Na próxima sexta-feira, 25 de novembro, duas apresentações musicais gratuitas acontecerão no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. O Coral da USP São Carlos se apresentará às 13 horas no auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano.

No mesmo local, às 19 horas, acontece a apresentação do grupo amador de música erudita Ad Libitum. O grupo é formado por sete músicos: Carlos Ribeiro (violino), Marcelo Ribeiro (violino), Newton Cury (flauta soprano), Fátima Vianna (flauta contralto), Christian Folz (flauta transversal), Iza D’Anciães (violocelo) e Maria Inez Botta (piano). 

As duas apresentações musicais são abertas a todos os interessados e fazem parte do evento em comemoração aos 20 anos do doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional. 

Coral fará apresentação às 13 horas
Mais informações
Seção de Eventos do ICMC: (16) 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Esses cientistas querem capturar o mundo com redes

Dos neurônios às mudanças climáticas, há uma ciência que está tentando compreender as conexões que regem o nosso mundo. Nesse desafio, matemáticos, cientistas da computação, físicos, meteorologistas, biólogos, engenheiros e químicos trabalham juntos

Somente uma rede interdisciplinar é capaz de capturar as questões que esses pesquisadores querem compreender

Tecer uma rede é uma obra de arte. Tem a rede de pesca, a rede de balanço, a rede de computadores, a rede de telefonia, a rede elétrica, a rede de amigos no Facebook, a rede de neurônios... Há uma infinidade de redes permeando nosso mundo e algumas constituídas por bilhões de componentes. Mas o que existe em comum entre a rede que liga seus amigos no Facebook e a que conecta seus neurônios?

Para responder essa pergunta, precisamos entender como os cientistas que estudam esse tipo de fenômeno analisam as redes. Para começo de conversa, eles transformariam cada pessoa no Facebook ou cada neurônio no cérebro em um ponto. Não satisfeitos com essa nuvem de pontos, eles também avaliariam as relações e conexões que existem entre cada pessoa (são amigas ou não?) e também entre cada neurônio. A seguir, representariam essas conexões por meio de retas. Imagine, agora, o resultado desse trabalho. Perceba que, apesar das duas redes serem realmente muito diferentes, suas estruturas serão muito parecidas. 

O que os cientistas criam quando transformam essas redes em pontos no espaço e os interligam por meio de retas é chamado, tecnicamente, de grafo. Um grafo é um prato cheio para qualquer pesquisador, porque eles podem extrair desse tipo de objeto matemático uma série de informações que, se olhássemos para uma rede complexa de outra forma, seria humanamente impossível analisar. Em um grafo, fica mais fácil identificar os pontos que têm mais conexões e, portanto, são mais centrais naquela rede. 

Com um grafo, fica mais fácil extrair informações relevantes da rede que está sendo estudada

“Se você analisa um neurônio isoladamente, não consegue explicar a memória, a consciência, nada disso. Você precisa olhar como eles estão conectados, ou seja, o todo. Só assim podemos compreender como o nosso cérebro funciona”, explica o professor Francisco Rodrigues, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. Essa é outra característica que conecta a rede de seus amigos no Facebook à rede de seus neurônios: eles não podem ser compreendidos de forma isolada, mas somente em relação ao todo. 

“O que acontece se eu tenho uma doença e uma parte dos meus neurônios são eliminados? Qual a consequência do desmatamento na Amazônia para o transporte de umidade ao Sudeste do Brasil? Precisamos de ferramentas que nos respondam esse tipo de pergunta, que levem em consideração os diversos agentes que interagem de forma complexa nesses sistemas, formando redes”, acrescenta Elbert Macau, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). 

Há cinco anos, Elbert coordena, pelo lado brasileiro, o projeto Fenômenos Dinâmicos em Redes Complexas, que une matemáticos, biólogos, cientistas da computação, meteorologistas, físicos, engenheiros e químicos provenientes de 10 diferentes instituições de pesquisa, sendo seis delas do Brasil e quatro da Alemanha. Entre o fim de setembro e o início de outubro, esses cientistas realizaram um evento no ICMC, a quarta edição do ComplexNet – Workshop and School on Dynamics, Transport and Control in Complex Networks. A iniciativa marcou o fim da primeira jornada do projeto e o começo de um novo ciclo, que vai durar mais cinco anos.

Financiado conjuntamente pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e pela Sociedade Alemã de Amparo à Pesquisa (DFG), o projeto temático já produziu bons resultados como vários artigos publicados em revistas científicas de alto fator de impacto, como a Nature, e promete ir além. Ao propiciar uma melhor compreensão sobre diversos fenômenos, a iniciativa está ajudando a fortalecer um novo campo do conhecimento, que pode gerar impactos relevantes na vida de todos nós.

Elbert é o coordenador do projeto pelo lado brasileiro

Esquizofrenia e epidemias – “O cérebro, o clima, as interações biológicas, as cidades, as redes sociais, os terremotos... O que esses sistemas têm em comum? Você pode representar a estrutura deles como um grafo e pode usar um mesmo conjunto de ferramentas para resolver os diversos problemas que surgem nesses contextos. Uma rede complexa nada mais é do que a estrutura de um sistema complexo”, descreve Francisco. 

As redes complexas têm ajudado o professor na identificação das diferenças entre os cérebros de pessoas saudáveis e daquelas que apresentam esquizofrenia, um transtorno mental que dificulta a distinção entre as experiências reais e imaginárias, interfere no pensamento lógico e tem causas ainda desconhecidas. “A partir de um scanner de ressonância magnética, mapeamos o cérebro e analisamos os dados das redes corticais. Quando a pessoa tem a doença, o cérebro é menos organizado em determinadas regiões do que o de uma pessoa que não tem”, relata Francisco. Para identificar essa desorganização cerebral, o modelo matemático desenvolvido na pesquisa extrai e analisa 54 características das redes corticais e consegue identificar, com 80% de precisão, qual ressonância pertence a um paciente que tem o distúrbio. Agora, o próximo passo é aplicar o mesmo método para diagnosticar outros tipos de transtornos como o autismo (assista ao vídeo).

Esse é apenas um exemplo do tipo de trabalho que vem sendo realizado no campo da neurociência com as redes complexas e que poderá, por meio da criação de modelos matemáticos computacionais, facilitar o diagnóstico médico futuro de uma série de distúrbios. Na biologia, as redes complexas também têm sido empregadas para construir mapas que ajudam a compreender as interações entre nossos genes, as proteínas, os processos metabólicos e outros componentes celulares.

Agora imagine o que acontece quando uma epidemia se propaga. Nesse caso, também existe toda uma rede complexa que precisa ser melhor compreendida pela humanidade para que possamos conter a disseminação de uma doença contagiosa, por exemplo. “Nesse caso, entender os tempos corretos de diagnóstico e isolamento é fundamental para a saúde da população”, conta o professor Tiago Pereira, do ICMC. Ele coorientou a pesquisa de doutorado do matemático alemão Stefan Ruschel, da Universidade de Humboldt, em Berlim. Utilizando bases de dados da Organização Mundial da Saúde sobre a gripe H1N1, os pesquisadores estudaram como extinguir a doença. A população foi dividida em três grupos: saudáveis, doentes e isolados. A partir de modelos matemáticos, foi calculado o tempo ideal para identificação da doença bem como o tempo de isolamento necessário para a cura (assista ao vídeo). 

“O mais importante, nessas doenças, é o tempo de identificação. Se você consegue rastrear todos os doentes em nove dias e curá-los ou colocá-los em quarentena, a epidemia será controlada”, revela Stefan. “No caso da H1N1, depois de 30 dias não há mais chance de se controlar a doença”, acrescenta o alemão. “O prazo de nove dias é economicamente inviável porque você teria que diagnosticar muita gente em pouco tempo”, pondera Tiago. Ele explica que, considerando-se a inviabilidade desse diagnóstico em tão pouco tempo, passa a ser decisivo, para o controle da epidemia, manter os doentes isolados no tempo ideal. “Se você isolar a pessoa por um tempo ideal, a doença é extinta, mas se você isolar a pessoa além desse tempo, a doença vai reaparecer”, conclui.

Tiago destaca que, no caso da H1N1, manter os doentes isolados no tempo ideal é decisivo

Secas, chuvas e ventos – Pense agora na atmosfera terrestre. “Ela é um fluido, não tem nenhuma fronteira a não ser a superfície e o espaço. O que acontece no Oceano Pacífico ou no Índico pode nos influenciar”, conta o pesquisador Gilvan Sampaio, do INPE. Na opinião dele, o ferramental das redes complexas possibilita avançar na compreensão dos fenômenos climáticos e meteorológicos em comparação com as técnicas tradicionais que são usadas, há pelo menos 30 anos, pelos cientistas que atuam nessa área.

O professor Henrique Barbosa, do Instituto de Física da USP, diz que os primeiros artigos científicos que tratam da aplicação das redes complexas no contexto da climatologia e da meteorologia são bastante recentes, datam de cerca de 10 anos atrás. Ele dá um exemplo para explicar como essas redes podem ser empregadas para capturar a complexidade do clima no mundo. Comece analisando a quantidade e a distribuição das chuvas em todo o planeta nos últimos anos. Uma maneira de estudar se há uma relação entre esse índice pluviométrico e a variação de temperatura na superfície do mar em todo o mundo é considerar que cada posição no globo é um nó em uma rede complexa, um pontinho no papel: “Eu só vou ligar um par de pontos se houver uma correlação alta entre a precipitação em um e a temperatura do mar no outro. No final, eu tenho muitos pontos, com muitas linhas conectadas. Então, passo a estudar esse objeto matemático”.

Esse objeto, que representa a relação entre a quantidade de chuva e a variação de temperatura na superfície do mar em todo o globo, pode ajudar os cientistas a entenderem se essas chuvas estão conectadas a fenômenos como o El Niño, que consiste na mudança da temperatura da superfície da água do Oceano Pacífico. Note que esse objeto é também um grafo e que as ferramentas empregadas para analisá-lo são as mesmas que outros cientistas usaram para ver como funcionam as redes que conectam os neurônios do seu cérebro e também seus amigos no Facebook.

“Nós usamos a técnica de redes complexas para entender os eventos extremos de precipitação da América do Sul. Tem uma vasta literatura científica a respeito da umidade que vem da Amazônia, que é transportada pelos jatos de baixos níveis para a região do Sudeste, os quais são ventos bem acelerados que vêm da Amazônia em direção ao Sudeste. Quando isso está acontecendo, detectamos mais chuvas e tempestades por aqui”, revela Barbosa. “Nós então construímos uma rede complexa para representar os eventos extremos de precipitação. O que descobrimos foi que esses eventos extremos se propagam de sul para norte (da Bacia do Prata em direção aos Andes Bolivianos), em direção contrária ao fluxo de umidade que vem da Amazônia. Essa análise também nos permitiu criar um modelo que, com 24 horas de antecedência, prevê a ocorrência de chuva extremas no planalto Andino”, completa o professor. As conclusões estão destacadas no artigo Prediction of extreme floods in the eastern Central Andes based on a complex networks approach, publicado em 2014 na Nature Communications.

Henrique cita, ainda, diversas outras pesquisas em que as redes complexas têm contribuído para o avanço do conhecimento, tal como o trabalho do grupo mostrando que 25% das chuvas na região sudeste é de água da floresta Amazônica, publicado em 2014 na revista Atmospheric Physics and Chemistry (On the importance of cascading moisture recycling in South America). “As redes complexas permitem a você quantificar e analisar problemas que são intrinsecamente não lineares. Por meio da análise das redes você consegue inclusive determinar se as equações que estão regendo os fenômenos observados – ainda que você não as conheça – são lineares ou não lineares. Isso é algo que a gente não consegue quando usa os métodos tradicionais”, explica o professor. 

Para Gilvan, um dos maiores desafios dos pesquisadores envolvidos no projeto é “falar a mesma língua”: “Tanto nós da área de meteorologia e climatologia precisamos entender mais sobre redes complexas, quanto os matemáticos, cientistas e engenharias de computação precisam entendem mais sobre clima”. Como as questões que esses pesquisadores querem compreender são muito complexas, não é de se surpreender que somente uma rede interdisciplinar seja capaz de capturá-las.

Henrique destaca que 25% das chuvas na região sudeste é de água da floresta Amazônica

Satélites, energia, lasers e inovação – “Estamos vivendo em um mundo em que a palavra que permeia tudo é interação”, diz Elbert Macau. Além de coordenar o projeto Fenômenos Dinâmicos em Redes Complexas, ele estuda como tornar nossos sistemas de observação mais potentes: “Quando você coloca um conjunto de instrumentos de observação, quer sejam telescópios ou radiotelescópios, cada um em um satélite, tem-se um conjunto deles que precisam se deslocar no espaço mantendo uma determinada formação para que você possa, virtualmente, compor uma antena imensa a partir dessas pequenas antenas”. Lembre-se de que a distância entre esses satélites pode ser de centenas até milhares de quilômetros. Nesse contexto, aparecem diversos problemas. “Essa geometria tem que poder ser alterada, porque você às vezes tem que substituir um satélite, alterar a resolução, dividir a formação para observar outros lados da Terra ou do universo. Para isso, tenho que saber como essa rede se estrutura e o acoplamento entre os satélites é fundamental”.

Depois de falar do que podemos enxergar a partir do acoplamento de satélites, Elbert mergulha no sistema de distribuição de energia: “No modelo tradicional, você tem geradores e consumidores estruturados em uma determinada rede. Por si só, isso já é uma coisa complicada”. A questão é que, atualmente, essa estruturação em rede está se tornando ainda mais complexa porque não existe apenas uma central elétrica geradora de energia: “Você pode ter uma fazenda que seja alimentada por um gerador eólico. Nesse caso, quando tem vento, há geração de energia para o local, mas quando não tem, a fazenda se torna consumidora. Há, ainda, residências com células fotovoltaicas e estamos começando a instalar sensores piso elétricos em pontes, estradas, viadutos, estádios para que possam gerar energia. Isso tudo cria um sistema de redes que altera a sua configuração ao longo do tempo”.

A inovação trazida para a ciência por esses pesquisadores de redes complexas é difícil de mensurar. O mestrando Felipe Eltermann, da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação da Unicamp, ingressou na área meio por acaso. Formado em Engenharia de Computação, ele começou a atuar em uma consultoria que realiza serviços de prospecção tecnológica. “Coletar dados relacionados a patentes não é algo simples”, diz. A partir dessa experiência, ele começou a se interessar por realizar uma pesquisa científica e, em conjunto com uma professora da área de economia, passou a atuar em um projeto que tem como objetivo construir um mapa da evolução da inovação tecnológica no Brasil: “A economia evolucionária compreende a economia como um sistema em constante evolução, que se transforma por dentro, e tem a inovação tecnológica como o que guia e possibilita seu crescimento econômico. Desse ponto de vista, a gente analisa a rede de patentes. Assim, você tem as patentes, as empresas e as pessoas, tudo interconectado ao longo do tempo”.

Para Felipe, o campo das redes complexas parece muito promissor. Há muitos indícios de que ele está certo. “As redes estão no coração de algumas das mais revolucionárias tecnologias do século XXI, empoderando tudo, do Google ao Facebook”, escreve o professor Albert-László Barabási no livro Network Science. Ele lidera um centro de pesquisa em redes complexas na Universidade Northeastern, em Boston, nos Estados Unidos. Para o professor, as redes permeiam a ciência, a tecnologia, os negócios e a natureza em um grau muito mais elevado do que podemos imaginar à primeira vista e, consequentemente, nós nunca vamos entender os sistemas complexos a menos que sejamos capazes de desenvolver uma profunda compreensão sobre as redes que existem por trás deles. Não é à toa que há tantos cientistas tentando capturar o mundo com essas redes.

Para Felipe, o campo das redes complexas parece muito promissor

Texto: Denise Casatti – Assessoria de Comunicação do ICMC/USP
Créditos das fotos: primeira imagem (grupo) - Reinaldo Mizutani; segunda imagem (grafo) - Martin Grandjean; demais imagens - Denise Casatti.

Mais informações
Site do projeto Fenômenos Dinâmicos em Redes Complexas: http://www.inpe.br/redes_complexas_e_dinamica/
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Palestras da semana - 21 a 28 de novembro



Seminários de Singularidades
An algorithm to classify the asymptotic sets associated to polynomial mappings $F: \C^n \to \C^n$
Palestrante: Nguyen Thuy (IBILCE-UNESP)
Quando: segunda-feira, 21 de novembro, às 14h
Onde: sala 3-009
Clique aqui para ver o resumo
----------

Seminários de Computação (BCC) 
Aprendizado de máquina e a era do big data 
Palestrante: Anderson da Silva Soares (professor do Instituto de Informática da Universidade Federal de Goiás)
Quando: quarta-feira, 23 de novembro, às 14h20
Onde: Auditório Prof. Luiz Antonio Fávaro (4-111)
Clique aqui para ver o resumo
----------

Mais informações
Seção de Eventos: (16) 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br

Trabalhos do ICMC são premiados em Congresso Brasileiro de Informática na Educação

Professor Seiji Isotani durante o evento, que aconteceu em Uberlândia

Um artigo e uma dissertação de mestrado do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, foram reconhecidos no V Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE), realizado entre os dias 24 e 27 de outubro, em Uberlândia, Minas Gerais.

O artigo Investigando o Impacto da Característica de Impulsividade na Aprendizagem Colaborativa com Suporte Computacional recebeu o prêmio de melhor artigo do 27º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE) – Trilha 5, evento que fez parte do Congresso. No total foram mais de 500 trabalhos submetidos ao SBIE e 133 destes foram aceitos para publicação (26%) como artigo completo. O trabalho é de autoria da aluna de doutorado Rachel Reis, em conjunto com a mestranda Kamila Lyra, o professor Seiji Isotani e com a pesquisadora Carla Rodriguez, que realizou pós-doutorado no ICMC. Dando continuidade a esse projeto na área de tecnologias educacionais, atualmente Rachel realiza seu doutorado sanduíche na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, com apoio da Fundação Lemann.

Já no Concurso de Teses e Dissertações, o trabalho Explorando o Impacto da Gamificação na Redução do Gaming the System em um Ambiente Virtual de Aprendizagem, de autoria de Laís Zagatti Pedro e Seiji Isotani ficou em terceiro lugar. Laís fez mestrado no ICMC sob orientação do professor Seiji. No total, 23 dissertações foram submetidas ao concurso, provindas de todas as regiões do Brasil. Na primeira fase, os trabalhos foram analisados em sua íntegra por dois avaliadores e os que receberam maior pontuação foram selecionados para a segunda fase do concurso. Nessa segunda fase, os trabalhos foram apresentados no CBIE, em sessão específica, com a presença de uma comissão avaliadora, sendo classificados os três melhores. 

Sobre o evento – O CBIE é um evento anual da Sociedade Brasileira de Computação, em nível internacional, que busca promover e incentivar as trocas de experiências entre as comunidades científica, acadêmica, profissional, governamental e empresarial na área de informática na educação. Assim, visa promover discussões e propor soluções para melhorias na educação com o apoio da tecnologia da informação e comunicação.



Mais informações
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373-9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Defesas e qualificações - 21 a 25 de novembro



Defesa de Mestrado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Otimização de consumo de combustível em veículos usando um modelo simplificado de trânsito e sistemas com saltos markovianos
Aluno: Diogo Henrique de Melo
Orientador: Eduardo Fontoura Costa
Quando: sexta-feira, 25 de novembro, às 9 horas
Onde: auditório Luiz Antonio Favaro (sala 4-111)

 ---------
 Mais informações
Agenda de defesas e qualificações: http://www.icmc.usp.br/eventos/defesas-e-qualificacoes
Serviço de Pós-Graduação do ICMC: (16) 3373.9638
E-mail: posgrad@icmc.usp.br

Inscrições abertas para o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência


Estão abertas as inscrições para o processo seletivo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. O Programa é destinado aos alunos dos cursos de Licenciatura em Matemática e de Licenciatura em Ciências Exatas (núcleo geral ou habilitação em Matemática) que estejam cursando a partir do terceiro semestre. As atividades começarão no primeiro semestre de 2017 e as inscrições, que são gratuitas, podem ser realizadas até 30 de novembro.

O valor da bolsa é de R$ 400,00 e, durante o período de sua vigência, o bolsista deverá dedicar-se, no mínimo, 30 horas mensais às atividades do Programa. A concessão das bolsas obedecerá a critérios classificatórios que envolvem entrevista, análise de histórico escolar e disponibilidade do candidato. As entrevistas acontecerão no dia 1º de dezembro em horários que serão informados posteriormente. Já a divulgação dos selecionados acontecerá no dia 5 de dezembro.

Os interessados devem preencher a ficha de inscrição e enviá-la, por e-mail, à professora Esther Prado (estherprado2@gmail.com), juntamente com o histórico escolar completo (incluindo as reprovações). O e-mail deve conter como assunto Processo seletivo PIBID 1s 2017. Para acessar o edital completo e ter acesso à ficha de inscrição, clique aqui: http://icmc.usp.br/e/2c6a6.

Sobre o Pidid - O Programa é uma iniciativa da Capes para o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica. São concedidas bolsas a alunos de licenciatura participantes de projetos de iniciação à docência desenvolvidos por Instituições de Educação Superior (IES) em parceria com escolas de educação básica da rede pública de ensino. Os projetos devem promover a inserção dos estudantes no contexto das escolas públicas desde o início da sua formação acadêmica para que desenvolvam atividades didático-pedagógicas sob orientação de um docente da licenciatura e de um professor da escola.

Mais informações
Edital do Programa e ficha de inscrição: http://icmc.usp.br/e/2c6a6
E-mail: estherprado2@gmail.com

Concurso fotográfico “Infinitos ângulos do ICMC”: inscrições prorrogadas

Envie suas imagens até 28 de novembro para o concurso que comemora os 45 anos do Instituto

Uma simples lousa e um giz podem inspirar a produção de imagens interessantes

Instigar os amantes da fotografia a retratar a matemática, a computação e a estatística é um dos objetivos do concurso fotográfico “Infinitos ângulos do ICMC”, lançado em comemoração aos 45 anos de existência do Instituto, cujas inscrições foram prorrogadas até 28 de novembro. Também são bem-vindas imagens das pessoas, dos jardins, dos laboratórios, das salas e dos demais ambientes do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. 

Pode participar da iniciativa qualquer pessoa que se aventure com uma câmera fotográfica, quer seja um profissional da área ou um amador. Serão aceitas fotos tiradas com qualquer tipo de equipamento fotográfico, desde DSLR profissionais até smartphones. Cada participante pode enviar, no máximo, três imagens de autoria própria. Não é preciso pagar qualquer taxa de inscrição e os arquivos devem ser enviados para o e-mail fotos@icmc.usp.br até o dia 28 de novembro, juntamente com a ficha de inscrição preenchida, assinada e digitalizada.

Seleção e premiação – A avaliação das fotografias será feita por uma comissão julgadora, conforme critérios como adequação ao tema, criatividade, qualidade técnica e informativa da imagem. Os resultados serão divulgados no dia 5 de dezembro, no site do ICMC.

A foto vencedora do concurso receberá como premiação um quadro com a imagem impressa em material de primeira qualidade. Para os membros ativos da comunidade USP (alunos, professores e funcionários), a premiação poderá ser convertida em apoio financeiro para participação em congressos científicos, no limite de até R$ 400.

Com um smartphone também é possível explorar os infinitos ângulos do ICMC

Concurso fotográfico “Infinitos ângulos do ICMC”
Inscrições: de 17 de outubro a 28 de novembro de 2016
Divulgação do resultado: 5 de dezembro de 2016
Ficha de inscrição: www.icmc.usp.br/e/696cf

Crédito das imagens: giz e lousa, Reinaldo Mizutani; árvore e luz, Denise Casatti.

Mais informações:
Seção de Apoio Institucional: (16) 3373-8914 ou rinst@icmc.usp.br

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

ICMC comemora 20 anos do doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional

Ex-alunos e professores participarão de um evento comemorativo nos dias 25 e 26 de novembro, que contará com a presença do pró-reitor de Pós-Graduação da USP


Apresentação do Coral da USP em São Carlos marca início das comemorações

Eles já defenderam 335 teses de doutorado e têm exercido um papel relevante em empresas e instituições de ensino e pesquisa espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Reunir esses ex-alunos e professores para comemorar os 20 anos de criação do doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciências de Computação e Matemática Computacional é o objetivo de um evento que acontecerá no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, nos próximos dias 25 e 26 de novembro.

“Os doutores que se formam no ICMC têm atuado na criação de diversos outros programas de pós-graduação no Brasil e na América Latina”, revela o atual coordenador do Programa, professor Adenilso Simão. Hoje, 281 doutores estão matriculados no Programa e atuam em grupos de pesquisa que contam com toda a infraestrutura necessária para o desenvolvimento de pesquisas de ponta. Desde a matrícula do primeiro doutorando, realizada no dia 13 de fevereiro de 1996 e da defesa da primeira tese, ocorrida no ano 2000, o Programa vem passando por um processo de desenvolvimento e evolução, que foi reconhecido na última avaliação trienal (2013) realizada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), quando recebeu a nota 6 – sendo que a nota máxima dada pela instituição é 7

Uma apresentação do Coral da USP em São Carlos acontecerá na sexta-feira, 25 de novembro, às 13h15, no auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano do ICMC, marcando o início do evento em comemoração aos 20 anos do doutorado. Logo depois, haverá palestras do professor Adenilso e de ex-coordenadores do Programa, bem como uma mesa redonda com ex-alunos. Às 19 horas, é a vez do grupo amador de música erudita Ad Libitum se apresentar. Sete músicos compõe o grupo: Carlos Ribeiro (violino), Marcelo Ribeiro (violino), Newton Cury (flauta soprano), Fátima Vianna (flauta contralto), Christian Folz (flauta transversal), Iza D’Anciães (violocelo) e Maria Inez Botta (piano). As comemorações do primeiro dia se encerram com um churrasco.

No dia seguinte, sábado, as atividades recomeçam às 10 horas com uma palestra do pró-reitor de Pós-Graduação da USP, Carlos Gilberto Carlotti Jr, seguida de uma apresentação retrospectiva e prospectiva sobre o Programa. Logo depois, um brunch finaliza o evento. 

Para participar das atividades, é preciso preencher o formulário de inscrição disponível neste link http://icmc.usp.br/e/4b938 bem como pagar a taxa de inscrição (R$ 15,00) e as demais taxas, caso queira aderir ao churrasco (R$ 32,00) ou ao brunch (R$23,00). Quem desejar assistir apenas às apresentações musicais do evento não precisa fazer inscrições nem pagar qualquer taxa, já que ambas são gratuitas e abertas a todos os interessados.

Grupo Ad Libitum também se apresentará no evento
Mais informações
Formulário de inscrições: http://icmc.usp.br/e/4b938
Seção de Eventos do ICMC: (16) 3373.9622

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Inscreva-se nos cursos e minicursos do Programa de Verão em Estatística da USP e da UFSCar

Programa de Verão acontecerá no próximo ano, de 2 de janeiro a 10 de fevereiro, no ICMC

As inscrições para os cursos e minicursos do Programa de Verão em Estatística 2017 estão abertas até dia 12 de dezembro. Realizado em conjunto pelos grupos de pesquisa em estatística e probabilidade do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, e pelo Departamento de Estatística da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), o evento é gratuito e acontecerá entre 2 de janeiro e 10 de fevereiro de 2017.

Como uma atividade do Programa Interinstitucional de Pós-Graduação em Estatística (PIPGEs), o evento é destinado a alunos de graduação, pós-graduação e pesquisadores em geral. Um dos objetivos da iniciativa é estimular os estudantes que estão nos últimos anos de graduação a adquirem novos conhecimentos em tópicos não usualmente tratados no decorrer da graduação. Outra finalidade é promover o intercâmbio científico entre pesquisadores da região e de diferentes instituições nacionais ou do exterior.

Além dos cursos e minicursos, haverá palestras proferidas por especialistas da área que acontecerão durante o 5º Workshop on Probabilistic and Statistical Methods, de 6 a 8 de fevereiro de 2017, no ICMC. A intenção do Workshop é discutir novas descobertas e apresentar as pesquisas mais recentes no campo da estatística, probabilidade e suas aplicações. 

No caso dos cursos e minicursos, as inscrições devem ser realizadas por meio do Sistema Apolo da USP. Confira, a seguir, os cursos disponíveis para inscrição:
Os candidatos ao mestrado do PIPGEs serão inscritos automaticamente no curso de Teoria das Probabilidades. Caso haja vagas remanescentes, as inscrições realizadas após os prazos estipulados serão analisadas caso a caso.

Mais informações

Site do Programa de Verão em Estatística: http://estatisticaverao.icmc.usp.br/

Comissão de Cultura e Extensão Universitária: (16) 3373.9146

E-mail: ccex@icmc.usp.br

Palestras da semana - 16 a 18 de novembro




Seminários da Pós-Graduação em Matemática
Bifurcation of Projected Patterns
Palestrante: Juliane Oliveira (Universidade do Porto)
Quando: quarta-feira, 16 de novembro, às 14h30
Onde: sala 5-104
Clique aqui para ver o resumo
-----------

Seminário de Singularidades
Palestrante: Jawad Snoussi (UNAM-Cuernavaca)
Quando: quarta-feira, 16 de novembro, às 16 horas
Onde: sala 3-009
Clique aqui para ver o resumo
 -----------

Seminário de Coisas Legais
Cordel para Jorge Cantor
Palestrante: José Mario Martínez (IMECC-Unicamp)
Quando: sexta-feira, 18 de novembro, às 13h15
Onde: auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano (sala 6-001)
Clique aqui para ver o resumo
 -----------

Mais informações
Seção de Eventos: (16) 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br

Curso gratuito de animação para jogos é oferecido no ICMC

Antecipação: uma das técnicas de animação que será ensinada no curso

O Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, está com inscrições abertas para o curso Animação 2D voltada para jogos. O objetivo é introduzir conceitos, técnicas e apresentar as ferramentas da área que são utilizadas no desenvolvimento de games. Há 18 vagas disponíveis e as inscrições, que são gratuitas, devem ser realizadas até o dia 25 de novembro ou enquanto houver vagas por meio deste link no Sistema Apolo: http://icmc.usp.br/e/478b0.

O curso, que é voltado para estudantes de graduação dos cursos de computação, será realizado no dia 29 de novembro, das 19 às 23 horas, na sala 6-303 do bloco 6 do ICMC e será ministrado pela aluna Anayã Ferreira, sob coordenação do professor Fernando Osório. Confira, abaixo, os tópicos que serão abordados no curso.

Conceitos básicos de arte aplicados a jogos:
  • conceitos de desenho tradicional;
  • simplicidade;
  • formas básicas;
  • destaque;
  • juntas.
Introdução a softwares para arte digital:
  • interface;
  • uso geral;
  • ferramentas específicas. 
12 princípios da animação voltados para jogos:
  • comprimir e esticar (squash and stretch); 
  • antecipação (anticipation); 
  • encenação (staging); 
  • animação direta e posição-chave (straight ahead action and pose to pose); 
  • continuidade e sobreposição da ação (overlapping action and follow through); 
  • aceleração e desaceleração (slow in and slow out); 
  • movimento em arco (arcs); 
  • ação secundária (secondary actions); 
  • temporização (timing); 
  • exagero (exaggeration); 
  • desenho volumétrico (solid drawing); 
  • apelo (appeal). 
Técnicas de animação:
  • tradicional: técnica de onion skin, procedimento básico;
  • vetorizada: conceitos para preparação do personagem, animação com transforms, animação com bones
Conceitos técnicos para arte em jogos:
  • sprite sheets; 
  • formatos e tamanhos; 
  • detalhes exportando; 
  • dicas gerais. 
Crédito da imagem: Wikipedia

Mais informações
Link para inscrições: http://icmc.usp.br/e/478b0
Comissão de Cultura e Extensão Universitária do ICMC: (16) 3373.9146

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

USP e UFSCar realizam dia da estatística e da probabilidade aplicada

Evento terá cinco palestras que mostrarão alguns recentes avanços nas pesquisas, apresentando aplicações de ferramentas matemáticas em neurociência e redes complexas, por exemplo


A estatística e a probabilidade aplicada ganharam um dia só para elas: 18 de novembro. É quando acontecerá o evento A day on statistics and applied probability, uma iniciativa do Programa Interinstitucional de Pós-Graduação em Estatística (PIPGEs), que é oferecido em conjunto pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, e pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). 

O objetivo do dia temático é mostrar alguns recentes avanços nas pesquisas no campo da estatística e da probabilidade aplicada por meio de cinco palestras, nas quais serão apresentadas aplicações de ferramentas matemáticas. O evento acontecerá das 10 às 17h30, no auditório 3 da Biblioteca Comunitária da UFSCar, e contará com a presença de pesquisadores estrangeiros como Arnaud Le Ny, da Université Paris-Est, e Frédéric Paccaut, da Université de Picardie Jules Verne. Também estarão presentes os professores Giulio Iacobelli, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Nancy Garcia, da UNICAMP, e Julio Singer, da USP. 

Para se inscrever no evento, que é aberto a todos os interessados, basta preencher o formulário disponível no site http://scpc.icmc.usp.br/dosap e pagar a taxa de inscrição, que é de apenas R$ 10,00.

Mais informações 
Contatos: sandrodobrasil@gmail.com (Sandro Gallo) e rbstern@gmail.com (Rafael Stern)

Defesas e qualificações - 16 a 18 de novembro



Qualificação de Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Redes complexas para classificação de dados via conformidade de padrão, caracterização de importância e otimização estrutural
Aluna: Camila Vaccari Sundermann
Orientadora: Solange Oliveira Rezende
Quando: quarta-feira, 16 de novembro, às 9h30
Onde: sala 3-002
---------

Defesa de Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional
Projeções multidimensionais para a análise de fluxos de dados
Aluno: Tácito Trindade de Araújo Tiburtino Neves
Orientador: Fernando Vieira Paulovich
Quando: quinta-feira, 17 de novembro, às 14 horas
Onde: sala 3-002
---------

Defesa de Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional

A computer-assisted approach to support taxonomical classification of freshwater green microalgae images


Aluno: Vinícius Ruela Pereira Borges

Orientadora: Maria Cristina Ferreira de Oliveira
Quando: sexta-feira, 18 de novembro, às 14h
Onde: sala da Congregação (4-112)
---------

Defesa de Mestrado no Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT
Polinômios e aproximações de função
Aluna: Vanessa Priscila Nicolussi Marques
Orientadora: Vanessa Rolnik Artioli
Quando: sexta-feira, 18 de novembro, às 15h
Onde: sala 3-002
---------
 

Mais informações
Agenda de defesas e qualificações: http://www.icmc.usp.br/eventos/defesas-e-qualificacoes
Serviço de Pós-Graduação do ICMC: (16) 3373.9638
E-mail: posgrad@icmc.usp.br

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Ganhador de Prêmio Nobel em Física profere palestra no ICMC

Evento com William Phillips acontecerá no próximo sábado, dia 12

O Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, promove no próximo sábado, 12 de novembro, uma palestra com o professor William Phillips, pesquisador do National Institute of Standards and Technology (NIST), dos Estados Unidos, e ganhador do prêmio Nobel de Física de 1997.

Com o título Uma conversa sobre pesquisa e sobre a formação de novos pesquisadores, a palestra é gratuita, aberta a todos os interessados, será ministrada em inglês e acontecerá no auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano do ICMC, a partir das 10 horas. O evento é uma iniciativa do Programa de Iniciação Científica, realizado pelos professores Hildebrando Munhoz Rodrigues e Marcio Gameiro. 

Mais informações
Seção de eventos do ICMC: 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br